Curiosidades

O Carioca é Antes de Tudo – por Millôr Fernandes

DESTAQUE copy

Gatos e gatas! (No bom “carioquês”)

Lendo hoje esse texto do Millôr Fernandes, senti a necessidade de compartilhar com vocês. É, de fato, um dos textos mais completos que já li sobre o que é “ser carioca”. O texto O Carioca é Antes de Tudo, dos anos 70, foi uma das melhores formas de homenagear um carioca, mostrando como ele é para o mundo. Eu confesso que ainda tenho a culpa de paulista que ele bem diz aí embaixo, de ir à praia no meio da semana… rs…, mas de resto, ah… tenho que concordar com tudo, o carioca sabe viver!

Millôr Fernandes (Milton Viola Fernandes): carioca, suburbano, do Méier, nascido e muito bem vivido na Cidade Maravilhosa, faleceu em 2012. Um escritor, que se dizia sem estilo, foi autor de uma frase bem conhecida pelo Brasil e, principalmente, pelos cariocas “Ser Carioca é essencial”.

Millor Fernandes

O Carioca é Antes de Tudo

Os paulistanos (!) que me perdoem, mas ser carioca é essencial. Os derrotistas que me desculpem, mas o carioca taí mesmo pra ficar e seu jeito não mudou. Continua livre por mais que o prendam, buscando uma comunicação humana por mais que o agridam, aceitando o pão que o diabo amassou como se fosse o leite da bondade humana. O carioca, todos sabem, é um cara nascido dois terços no Rio e outro terço em Minas, Ceará, Bahia, e São Paulo, sem falar em todos os outros Estados, sobretudo o maior deles o estado de espírito. Tira de letra, o carioca, no futebol como na vida. Não é um conformista — mas sabe que a vida é aqui e agora e que tristezas não pagam dívidas. Sem fundamental violência, a violência nele é tão rara que a expressão “botei pra quebrar” significa exatamente o contrário, que não botou pra quebrar coisa nenhuma, mas apenas “rasgou a fantasia”, conseguiu uma profunda e alegre comunicação — numa festa, numa reunião, num
bate-coxa, num ato de amor ou de paixão — e se divertiu às pampas. Sem falar que sua diversão é definitivamente coletiva, ligada à dos outros. Pois, ou está na rua, que é de todos, ou no recesso do lar, que, no Rio é sempre, em qualquer classe social, uma open-house, aberta sob o signo humanístico do “pode vir que a casa é sua”.

Carioca, é. Moreno e de 1,70 metro de altura na minha geração, com muitos louros de 1,80 metro importados da Escandinávia na geração atual, o carioca pensa que não trabalha. Virador por natureza, janota por defesa psicológica, autocrítico e autogozador não poupando, naturalmente, os amigos e a mãe dos amigos — ele vai correndo à praia no tempo do almoço apenas pra livrar a cara da vergonhosa pecha de trabalhador incansável. E nisso se opõe frontalmente ao “paulista”, que, se tiver que ir à praia nos dias da semana, vai escondido pra ninguém pensar que ele é um vagabundo. Amante de sua cidade, patriota do seu bairro, o carioca vai de som (na música), vai de olho (é um
paquerador incansável e tem um pescoço que gira 360 graus), vai de olfato (o odor é de suprema importância na fisiologia sexual do carioca).

Sem falar, que, em tudo, vai de espírito; digam o que disserem, o papo, invenção carioca, ainda é o melhor do Brasil, incorporando as tendências básicas do discurso nacional: o humanismo mineiro, o pragmatismo paulista, a verborragia baiana.

E basta ouvir pra ver que o nervo de todas as conversas cariocas, a do bar sofisticado como a do botequim pobre e sujo, por isso mesmo sofisticadíssimo, a do living-room granfa, a da cama (antes e depois), é o humor, a crítica, a piada, a graça, o descontraimento. Não há deuses e nada é sagrado no Olimpo da sacanagem. O carioca é, antes de tudo, e acima de tudo, um lúdico. Ainda mais forte e mais otimista do que
o homem da anedota clássica que, atravessado de lado a lado por um punhal, dizia: “Só dói quando eu rio”, o carioca, envenenado pela poluição, neurotizado pelo tráfego, martirizado pela burocracia, esmagado pela economia, vai levando, defendido pela couraça verbal do seu humor.

Só dói quando ele não ri.
Só dói quando ele não bate papo.
Só dói quando ele não joga no bicho.
Só dói quando ele não vai ao Maracanã.
Só dói quando ele não samba.

Só dói quando ele esquece toda essa folclorada acima, que lhe foi impingida anos a fio com o objetivo detorná-lo objeto de turismo, e enfrenta a dura realidade… carioca.

 

Me siga nas redes sociais ;)

Instagram: @thailisemonteiro
Facebook: www.facebook.com/blogacaradorio
Twitter: @thailisecosinha
Youtube: www.youtube.com/user/acaradoriopontocom
Snapchat: thataacaradorio

 

Informações úteis:

Aluguel de carro no Rio: www.rentalcars.com

Onde ficar no Rio: www.booking.com/riodejaneiro

Você pode gostar também