Tag de navegação

Copacabana

Gastronomia

Coffeeaholic Sofá Café: uma experiência para os amantes do café

A convite do Sofá Café participei de uma experiência super diferente esse mês e vou contar aqui pra vocês. É o Coffeaholic, um programa diferente para os amantes do café, que pretende elevar a percepções dos cariocas sobre o mundo do café especial. Continue lendo

Gastronomia

Cardápio de verão do Seu Vidal Sanduicheria Copacabana

Chega essa época no Rio, tudo se torna leve e bom demais, e aí entre um barzinho e outro, uma cerveja e um espumante, a gente vai apreciando a gastronomia que os lugares criam especialmente para o verão carioca. Hoje vou falar do Seu Vidal, uma sanduicheria que se instalou em Copacabana há menos de 6 meses e já está fazendo um sucesso danado como opção certeira do pós-praia ou esquenta para a noitada! Continue lendo

Gastronomia

Momo Gelateria no Belmond Copacabana Palace

Que delícia é andar por Copacabana e ter essa gelateria de primeira aos pés do Belmond Copacabana Palace, o hotel mais badalado do bairro e conhecido no mundo todo por sua excelência e glamour, um ponto nobre e luxuoso no Rio de Janeiro. Agora podemos simplesmente sentar na varanda da Momo, dar aquela relaxada e ficar apreciando a bela princesinha do mar saboreando um maravilhoso gelato à italiana, ou comendo uma bela sobremesa acompanhada de um delicioso café orgânico. Continue lendo

Gastronomia

Sofá Café: grãos mais que especiais em Copacabana

Quem me acompanha aqui no blog, já sabe que sou apaixonada por cafeterias, pães, bolos e delícias que lembrem a casa da mamãe, da vovó e qualquer lugar onde eu possa me sentir à vontade e comer bem. E hoje a dica é especial para os amantes de café e da boa mesa. Depois que você conhecer esse lugar, seu paladar para café nunca mais será o mesmo.

No final de 2015 o Sofá Café abriu suas portas na Cidade Maravilhosa, em Copa – logo atrás do Copacabana Palace, para a alegria dos amantes desses grãozinhos mágicos. A matriz fica em São Paulo, minha cidade natal, e tem filial em Boston, nos Estados Unidos. Continue lendo

Curiosidades

Curiosidade: frescobol foi criado em Copacabana

Não é de se estranhar que alguns esportes ao ar livre possam ter sido criados aqui no Rio de Janeiro, mas essa história do frescobol eu não sabia e é muito bacana compartilhar isso com vocês, que também amam o Rio como eu. A cidade cheia de encantos mil aguça a criatividade de quem passa por aqui!

O Frescobol é um esporte brasileiro, surgiu no Brasil em 21/04/1945, em Copacabana, após o término da 2ª Guerra Mundial, idealizado pôr Lian Pontes de Carvalho, que morava no edifício de n.º 1496, na Avenida Atlântica, esquina da Rua Duvivier, hoje já demolido. Continue lendo

Datas especiais

Reveillón 2015 em Copacabana – mais uma opção para os atrasadinhos!

Olá, pessoas queridas!

Hoje é dia de festejar e, claro, pra quem quer passar o Reveillón assistindo a maravilhosa queima de fogos de Copacabana, mas ainda não tem onde ficar, comer, dançar, badalar, pular, etc… vai uma dica gostosa e super badalada: os quiosques do calçadão! Essa festa do Espetto Carioca está show, olhem só e corram, que sempre sobra um lugarzinho 🙂

Flyer Espetto Carioca 1 Continue lendo

Passeios Pontos turísticos

A vida em Copacabana aos finais de semana

Olá, pessoas! Como foram de final de semana? Espero que muito bem!

Aqui no Rio ficou um tempo bem feinho Sábado e senti muita falta do sol nos dias anteriores também, mas Domingo fez um sol lindo, para a nossa alegria. Detesto tempo nublado, mas pior é com chuva, porém sei que é necessário, a cidade até respira melhor depois de umas gotas de água vindas do ceú e a gente agradece. Se São Pedro quiser dividir essa água lá na minha terrinha seria bão né? Estão precisados. Continue lendo

Pontos turísticos

De onde vem o nome Copacabana

Olha que bacana, lendo uma matéria do Diário do Rio, encontrei o significado de Copacabana:

Significa mirante do azul, na língua Inca Quichua. Também existe uma cidade boliviana nas margens do Lago Titicaca com o nome de Copacabana. Originalmente, o nome do bairro era Sacopenapã que  era um areal deserto quando pescadores ergueram uma capelinha no extremo sul da praia. Nela foi colocada a cópia de uma imagem de Nossa Senhora de Copacabana, trazida por mercadores de prata bolivianos. A igreja foi destruída para dar lugar ao Forte de Copacabana.

Copacabana em 1900

 

E fui fuçar a sua história e algumas fotos antigas, que adoro ver… acho realmente que vivi no Rio nessa época em outra vida, não é possível! Acho tudo fascinante aqui…

Copacabana 1

 

Copacabana é o bairro mais conhecido do Rio de Janeiro, do Brasil, do mundo!

VISTA DE COPACABANA DO ALTO DO FORTE DO LEME

VISTA DE COPACABANA DO ALTO DO FORTE DO LEME

 

“(…) Depois que voltei, juntei-me a um alegre grupo num passeio a cavalo a Copacabana, pequena fortaleza que defende uma das pequenas baías atrás da Praia Vermelha e de onde se podem ver algumas das mais belas vistas daqui. As matas da vizinhança são belíssimas e produzem grande quantidade de excelente fruta chamada cambucá, e nos morros o gambá e o tatu encontram-se frequentemente (…)”

Maria Graham – Londres – 1824

“(…) O primeiro plano, formado pelo prolongamento das montanhas que beiram a costa do Rio de Janeiro, permite verem-se as pequenas ilhas e bancos de areia que assinalam a sua proximidade. Vê-se no meio da areia a pequena igreja de Copacabana, isolada num pequeno platô: à direita um segundo plano formado por um grupo de montanhas entrando mar a dentro esconde a sinuosidade do banco de areia cuja extremidade aparece com a sua parte cultivada tão reputada pelos seus deliciosos abacaxis. Aí se forma a embocadura de um pequeno lago alimentado pelas águas do mar em maré alta.”

Jean Baptiste Debret – França – 1834

 

A primeira lenda que se conhece sobre Copacabana o bairro, que já tinha este nome, conta que duas baleias, encalhadas segundo alguns, livres segundo outros, teriam aparecido na praia, no final de agosto de 1858. Entre os dias 22 e 23 daquele ano, centenas de pessoas – com o imperador Pedro II e sua comitiva à frente – deslocaram-se para vê-las.

Os mais ricos seguiam de coches, puxados a cavalo, e levavam um grande farnel barracas para se acomodarem. Outros iam a cavalo, ou mesmo a pé. As baleias não estavam mais lá, apesar disso, quem ficou na praia divertiu-se muito, num piquenique que durou três dias e três noites.

Começou daí o namoro da população do Rio de Janeiro com aquele areal inóspito e insalubre, que em meados do século XVIII, trocara o nome de Sacopenapã (toda a região de Copacabana até a Lagoa Rodrigo de Freitas), em tupi o caminho das socós (ave pernalta, da família dos ardeídeos, muito abundante nas restingas do Rio de Janeiro), por Copacabana , mirante do azul, em quichua (nativos do Peru e da Bolívia) e, também, vem do termo aymara arcaico Copakawana e significa aquele que atira a pedra preciosa.

Copacabana 3

A CAPELA PARA NOSSA SENHORA DE COPACABANA NO FINAL DO SÉCULO XIX

 

O ENCONTRO DOS DOIS LADOS DO TÚNEL VELHO EM 1892

O ENCONTRO DOS DOIS LADOS DO TÚNEL VELHO EM 1892

ladeiradostabajaras 1928

ALTO DA LADEIRA DOS TABAJARAS EM 1938

avatlntica1906

AVENIDA ATLÂNTICA EM 1906

avatlntica19253

PRAIA DE COPACABANA E A MODA PRAIA VERÃO DE 1925

avatlntica1919 (2)

A RECÉM INAUGURADA AVENIDA ATLÂNTICA EM 1919

HOTEL COPACABANA PALACE

HOTEL COPACABANA PALACE

AVENIDA NOSSA SENHORA DE COPACABANA

AVENIDA NOSSA SENHORA DE COPACABANA

Copacabana fez política durante décadas, porque muitos nomes que fizeram a história do Brasil escolheram o bairro para morar:

Presidentes da República

  • Eurico Gaspar Dutra
  • João Fernando Campos Café Filho
  • Carlos Coimbra da Luz
  • Nereu de Oliveira Ramos
  • Juscelino Kubitscheck de Oliveira
  • João Belcjior Marques Goulart
  • Ranieri Mazzili
  • Emílio Garraztazu Médici
  • Tancredo de Almeida Neves

 

Governadores

  • Carlos Werneck Lacerda
  • Magalhães Pinto
  • Leonel de Moura Brizola

 

Ministros de Estado

  • Odílio Denys
  • Afrânio de Mello Franco
  • Henrique Teixeira Lott
  • Armando Falcão
  • Horácio Lafer
  • Lyra Tavares
  • Lucas Lopes
  • Otávio Gouveia de Bulhões
  • Otávio Gondin

 

Outros políticos, militares e personalidades

  • Assis Chateaubriand (na Avenida Atlântica entre Rua Miguel Lemos e Rua Djalma Ulrich)
  • Benedito Valadares
  • Olímpio Mourão Filho
  • Cibilis Viana
  • Roberto D’Ávila
  • Dorival Caymmi
  • Augusto Frederico Schmidt
  • Paulo Coelho
  • Billy Blanco
  • Clovis Bornai
  • Mário Lago
  • Neguinho da Beija-Flor
  • Josué Montello
  • Cauby Peixoto
  • Sylvinha Telles
  • Dercy Gonçalves
  • Braguinha
  • Bruno Medina
  • Marta Rocha

 

FONTE: http://copacabana.com/historia-de-copacabana/

 

Passeios

Hora de correr!

Oie! Lá vem eu com dicas 😉

Hoje é para caminhadas e corridinhas, fico muito inspirada quando vejo o dia lindo lá fora!
Aqui no Rio tem muitos lugares bonitos para fazer esse tipo de exercício. Eu sou super adepta de exercícios físicos e adoro os dois: caminhar e correr. De Copa ao Leme e Copa ao Leblon eram os percursos que eu mais fazia com o maridão (agora com a mudança de bairro vou postar futuramente nosso local preferido, ainda estou testando)! Nem preciso dizer que as paisagens são super inspiradoras, né?

Vai aí uma listinha de alguns lugares famosos por aqui para vocês se animarem! Tirei da matéria da Time Out Rio de Janeiro.

Parque do Flamengo – 4km

Flamengo
Ligeiramente melancólico! Tudo porque, aqui, aquele merecido “mergulho no mar pós-corrida”, não é uma boa ideia, por causa da poluição da água. A praia do Flamengo e o parque que se estende ao longo de seu comprimento tem cenas lindas, no entanto (ou “por enquanto”, para os otimistas que apostam na despoluição da Baía), apenas para fazer exercício. Desde os primeiros raios de sol, já se vê o aquecimento para jogos de frescobol, vôlei e futvôlei, equipes de terceira idade praticando Tai-Chi-Chuan e enxames de corredores e ciclistas.

Inicie no extremo sul, no restaurante Porcão, para um pouco de inspiração, e siga a linha do caminho entre as árvores e em volta da enseada da Baía. O percurso inteiro é devidamente marcado a cada cem metros e contorna o mar com curvas bem recortadas, tornando a paisagem ainda mais interessante.

A corrida proporcionará a vista de campos de futebol e um parque de skate antes de chegar à mais bela curva: da Marina da Glória. A partir daí, você vai passar pelos barcos e pelo Memorial da Segunda Guerra Mundial com o túmulo do soldado perdido – um bom lugar para fazer uma pausa ou utilizar a “rotunda” para retornar para aonde você veio. Para não refazer exatamente os mesmos passos, há sempre a rota à beira-mar, após a Marina, que é grande o suficiente para acomodar todos no corredor: moto, tráfego e pedestres, e é um pouco mais direta (lê-se: mais curta), no caminho sinuoso do parque.

Leblon, Ipanema, Arpoador – 3,7 km

Leblon
Quase tão amado quanto a Lagoa, este é o segundo percurso de corrida mais popular da cidade, e é fácil perceber o porquê: cruzar ao longo da mais bela praia urbana, junto com as pessoas bonitas que lá frequentam. Qualquer um que ainda precise de um estímulo para correr, terá toda a inspiração que precisa direto do calçadão: o desfile dos físicos esculpidos ao ritmo das ondas batendo ao lado do Atlântico.

Particularmente popular ao pôr do sol e também aos domingos, quando uma das pista de trânsito fecha, criando um espaço extra super valioso (apenas tome cuidado com o skate motorizado!). Também tem a vantagem de ter 7 km (ida e volta), que é uma boa distância para se percorrer, com a constante brisa do mar.

Lagoa – 7,5 km

Lagoa
O trecho clássico escolhido por muitos corredores na Zona Sul, a Lagoa é quase uma volta olímpica perfeita de 7,5 quilômetros. Uma medida boa para o exercício fazer efeito, mas sem matar você no processo. Cada intervalo de 100m é marcado no chão e assim fica fácil manter um controle sobre a distância que você já deixou para trás. O recuo do Cantagalo pode iludir e dar a impressão de que resta menos para acabar do que realmente falta. Que bom! Ameniza psicologicamente o cansaço e as calorias perdidas agradecem!

As vistas são espetaculares, o horário do pôr do sol é sensacional para correr e você consegue ver quatro bairros diferentes pelo caminho. Lembre-se, porém, de ficar sempre atento à noite, pois nem todo o percurso é bem iluminado e há relatos ocasionais de assaltos ao longo do caminho. Mas você não estará usando o seu “rolex de ouro” justamente durante sua corrida, certo?

Copacabana-Leme – 4,15 km

Copa
A paisagem, de novo, faz toda a diferença! Mas os 8,3km de extensão (ida e volta) podem assustar os corredores com menos preparo físico. Comece pela manhã, em frente ao Sofitel, perto do Forte de Copacabana, onde o sol nasce por cima do seu ombro direito e depois despeja um banho de luz solar em toda a praia. Durante o percurso, você poderá observar as idas e vindas dos vários hotéis internacionais ao longo do caminho, incluindo o suntuoso Copacabana Palace. Dependendo do dia, você pode sentir inveja ou orgulho quando passarem os cambaleantes saídos das boates em Copa, com o olhar ferido de toda aquela luz da manhã. A paz retorna ao percurso após a Avenida Princesa Isabel, de onde você pode, e deve, dar aquele belo mergulho no final do Leme, olhando os pescadores.

Praia de Botafogo e Urca “loop” – 7 km

Botafogo
Não é exatamente uma trilha de corrida, mas a rota “loop” da Urca é um caminho perfeito e oferece muitos estímulos visuais para o corredor que gosta de se distrair. Inicie no final da Praia de Botafogo e, embora o início pareça um pouco pesado, você vai sentir a recompensa do ar fresco da Urca, assim que descer na Avenida Pasteur. A partir daí, há duas opções, dependendo do seu nível de energia: primeiro é continuar pela pista Cláudio Coutinho, do lado esquerdo da Praia Vermelha, com 2,5 km (só ida). Esta pista de corrida fica em torno da base do Morro da Urca. Seu nível é fácil e a vista cinematográgfica, para o mar aberto, proporciona um momento de conexão muito especial com a natureza em volta. Como alternativa, um pouco antes do fim da estrada, vire à esquerda para Rua Ramon Franco, que dá acesso à Urca, onde o corredor passa pelas casas desse bairro histórico, de curiosos e moradores descontraídos. Continue até o final da rua para encontrar sua recompensa: a beira das águas da Baía de Guanabara. Já dentro do bairro, a mureta de pedra será a sua guia, e seguindo até o final, o percurso necessariamente lhe jogará nos braços da tentação local mais famosa: o Bar Urca, com suas várias delícias fritas com cerveja de garrafa, sempe geladérrima. Seja direto na sua escolha, sem remorsos: entregue-se ou acelere o passo!

Na volta, ao invés de ir pela Ramon Franco, siga reto pela mureta, curtindo mais um pouquinho a vista para a Baía de Guanabara e a Ponte Rio-Niterói sobre seu ombro. No finalzinho da rua, já saindo da Urca, o bônus: visual da pequena ponte sobre o passado pitoresco da primeira versão histórica do piscinão de Ramos, onde hoje fica uma mini-marina para os barcos de pesca. Da Avenida Pasteur, trata-se de uma linha reta novamente para voltar à praia de Botafogo, onde você pode finalmente sentar e relaxar, olhando os elegantes barcos do iate clube.

 

E aí, qual o preferido de vocês?

Beijos da Thata

Me siga nas redes sociais ;)

Instagram: @thailisemonteiro
Facebook: www.facebook.com/blogacaradorio
Twitter: @thailisecosinha
Youtube: www.youtube.com/user/acaradoriopontocom
Snapchat: thataacaradorio

 

Informações úteis:

Aluguel de carro no Rio: www.rentalcars.com

Onde ficar no Rio: www.booking.com/riodejaneiro

 

CURTA A CARA DO RIO NAS REDES SOCIAIS E INSCREVA-SE PARA RECEBER A NOSSA NEWSLETTER